ago 27

Pilobolus – O Lançamento Mais Rápido da Natureza

Como mostramos no post sobre as Aves-do-paraíso, o comportamento dos diversos seres vivos que habitam nosso planeta sempre nos ensinam lições valiosas. No caso dos magníficos pássaros, aprendemos que uma boa dança pode garantir o sucesso reprodutivo do indivíduo. Nesse post vamos mostrar um microrganismo que vive literalmente na merda! E uma vez que a vida deles dependem disso, eles desenvolveram mecanismos para garantir que essa moradia seja, pelo menos, o melhor cocô da vizinhança!

Fungos do gênero Pilobolus passam uma parte do seu ciclo de vida em excrementos de vacas e bois, um local que pode não parecer muito hospitaleiro, mas se você não for muito exigente e parar para pensar um minuto, entenderá que ali há muitos nutrientes disponíveis, mesmo após a vaquinha ter feito sua digestão. Além disso, o local é quentinho. Porém, esse não é o maior problema do Pilobolus. Como tudo que é bom dura pouco — até merda fresca — os nutrientes do monte de bosta uma hora acabam e como este fungo quer proporcionar uma moradia melhor para seus descendentes, o jeito foi arrumar uma maneira de sempre garantir que os esporos — células reprodutoras dos fungos — tenham acesso a excrementos fresquinhos. O Pilobolus poderia envolver seus esporos em alguma substância pegajosa e esperar que algum inseto, como uma mosca, visitasse seu lar-doce-lar. Ao deixar o ambiente, a mosca levaria consigo alguns esporos grudados em seu corpo. Mas ninguém garante que a mosca irá diretamente para outro monte de cocô e muito menos para um monte de cocô fresco. O Pilobolus quer garantir que seus descendentes tenham a casa mais fresca possível e para isso adotaram uma estratégia evolutiva muito eficaz! Colocar os esporos dentro da vaca!

Para que isso ocorra podemos imaginar duas situações:

1) A vaca teria que comer o cocô com os esporos do Pilobolus

2) Os esporos teriam que ser depositados em um pasto verdinho onde as vaquinhas comeriam o capim e consequentemente acabariam engolindo os esporos de Pilobolus.

Eis que a natureza se mostra mais uma vez formidável! O Pilobolus possui uma estrutura em forma de haste — denominada esporângios — que armazena os esporos produzidos até que eles se desenvolvam por completo. O fungo bombeia água para o esporângio, elevando a pressão hidrostática dessa estrutura. Assim que os esporos atigem o estágio final de maturação, a pressão dos esporângios é liberada de uma vez e os esporos são lançados a uma velocidade de aproximadamente 90 Km/h!

Vejam o gif abaixo e tentem ver o lançamento!

1x speed

Não conseguiram ver nada? Apenas bolinhas estourando? Vejam abaixo o mesmo lançamento filmado com uma câmera que consegue filmar a 250.000 quadros por segundo, ou seja, quase 10.000 vezes mais quadros que as câmeras normais.

10.000 x speed

Os esporos podem atingir uma altura de 2 metros e aterrissar a até 2.5 m de distância do disparo inicial! Esse mini-canhão de aproximadamente 1 cm acelera de 0 a 20 km/h em 0,000002 segundos. Os esporos são submetidos a mais de 20.000 Gs.

Seria como lançar um humano a 100 vezes a velocidade do som, o que corresponde a 121.791,6 km/h! Nosso corpo não aguentaria tamanha aceleração e provavelmente aconteceria isso:

happy

Além disso os esporos não são atirados para qualquer lado. O esporângio também possui foto-sensores localizados na ponta das hastes, fazendo com que eles mirem na direção do sol logo pela manhã. Provavelmente naquela direção deve haver uma graminha verde onde as vacas irão almoçar! O esporo será ingerido pela vaca e não será mastigado nem digerido, apenas atravessará o sistema digestivo até que uma nova casa seja feita e o processo recomece!


Esse post foi baseado nos seguintes textos:

Livro: Pequenas Maravilhas escrito por Idan Ben-Barak

Artigo:

Yafetto L, Carroll L, Cui Y, Davis DJ, Fischer MW, Henterly AC, Kessler JD, Kilroy HA, Shidler JB, Stolze-Rybczynski JL, Sugawara Z, & Money NP (2008). The fastest flights in nature: high-speed spore discharge mechanisms among fungi. PloS one, 3 (9) PMID: 18797504

Post Relacionados

Não há posts relacionados

Share

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Share